Copa e turismo

No Brasil já se tornou um mantra responsabilizar a carga tributária pelo alto preço dos serviços e mercadorias

(por Lincoln Pinheiro Costa)
 
Restando três anos e meio para a realização da Copa do Mundo no Brasil, muito ainda há a ser feito para recebermos os turistas.

Fiquei estarrecido com a quantidade de plástico, papel e caco de vidro que encontrei na praia. E cachorros dividindo espaço com os banhistas.

É  assim que receberemos os turistas?

Além das obras de infraestrutura, a educação é indispensável à criação de um ambiente favorável à atividade turística.

Não me refiro aqui à educação formal, mas à educação doméstica, de berço, de ensinar os filhos a não jogarem lixo pela janela do carro.

No Brasil já se tornou um mantra responsabilizar a carga tributária pelo alto preço dos serviços e mercadorias. Repete-se isso à exaustão nos meios de comunicação de massa, sem qualquer questionamento.

Mas, o que justifica as bebidas serem vendidas na praia com uma margem de lucro superior a 100% em relação aos preços praticados nos supermercados?

E o que dizer dos achaques praticados pelos guardadores de carro? Os empregos formais criados nos últimos anos não foram suficientes para absorver essa mão-de-obra ociosa?

A indústria do turismo está cada vez mais ganhando participação no PIB – Produto Interno Bruto. Porém, é uma atividade que depende do respeito ao meio ambiente e aos direitos dos consumidores.

Reflitamos sobre isso.
 

Imprimir   Email